Domingo, 24 de Outubro de 2021
19°

Pancada de chuva

Paranavaí - PR

Cidades Sinserpar

Servidores municipais de Paranavaí querem respostas do dissídio coletivo de 2021

Em documento, Sinserpar pede a prefeito e vereadores reajuste para recuperar perdas salariais iniciadas em 2019

27/09/2021 às 16h46
Por: Da Redação Fonte: Ass. Imp. Sinserpar
Compartilhe:
A confiança de que o Executivo atenderá os pleitos da categoria está ligada ao apoio que o Sinserpar espera receber dos vereadores
A confiança de que o Executivo atenderá os pleitos da categoria está ligada ao apoio que o Sinserpar espera receber dos vereadores

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Paranavaí (Sinserpar), Gabriel Luiz dos Santos, protocolou na manhã desta segunda-feira (27) ofício na Prefeitura pedindo respostas às reivindicações que foram apresentadas no início do ano e que até agora não houve nenhuma manifestação por parte da Administração Municipal. A relação dos pedidos foi elaborada em uma assembleia para tratar da pauta de reivindicações.

Considerando a aproximação do período de elaboração do orçamento do município para 2022, os servidores ainda pediram reajuste para recompor as perdas salariais que tiveram início em 2019.

Também nesta segunda-feira, o Sinserpar protocolou documento na Câmara Municipal pedindo apoio aos vereadores para suas reivindicações.

No ofício ao Executivo, o Sinserpar lembra que na pauta de reivindicações o principal pedido era sobre a questão salarial. Entretanto, o caso está sub judice. “Mas haviam outros pedidos como o vale alimentação e a redução da jornada de trabalho de alguns setores, só para citar dois exemplos, que até agora não nos foi dada nenhuma satisfação”, disse Santos.

O Sinserpar lembrou que há pedidos pendentes que urge uma solução. Uma delas, apontou, é a redução da carga horária de 44 horas para 40 horas semanais dos cargos de motoristas, operador de máquinas pesadas, ajudante geral, auxiliar de serviços gerais, agentes de conservação e atendentes de creche”.

O líder sindical justifica a urgência: “Muitos dos profissionais que exercem estas funções, especialmente os agentes de conservação, estão exaustos, a ponto de pedir exoneração, outros falam em redução de jornada com redução de salário, que já é pouco, por não suportar a carga horária de trabalho. Chega a ser desumano. Por isso solicitamos que, em regime de urgência, vossa excelência avalie esta situação com muito carinho”.

O vale-alimentação também entrou entre as urgências. “Outro tema que gostaríamos de sua especial atenção é a concessão do vale-alimentação para todos os servidores. Esta é uma das reivindicações mais antigas e mais insistentes da categoria. Além do mais, é uma ferramenta para mitigar os efeitos das perdas salariais que se acumulam ao longo dos anos e que se agravou nos últimos dois”.

Na sequência, foi apontado outras reivindicações gerais e lembrado das reivindicações por secretarias, observadas as características de cada uma. “Estamos confiantes em nossos pedidos. É evidente que nossa categoria vem sendo desvalorizada, sofrendo um grande revés nos últimos dois anos. Não é justo que continue este processo”.

No mesmo documento endereçado ao prefeito Carlos Henrique Rossato Gomes (Delegado KIQ) o Sinseprar apela para que no Orçamento para 2022 seja contemplado o reajuste de, “pelo menos”, 20% “para compensar perdas iniciadas em 2019”. A entidade aponta como responsável por estas perdas o aumento da alíquota de contribuição da Previdência de 11% para 14%; os 4,52% do IPCA referente ao ano de 2020; e os 8,5% de inflação prevista para este ano “e que já corrói o salário do servidor”.

Gabriel dos Santos enfatiza que “a situação dos servidores, especialmente os de menores salários, é dramática, e tem se agravado à medida que o custo de vida sobe, impulsionado pelo aumento dos combustíveis e do dólar que tem reflexo sobre toda a economia e afeta drasticamente o orçamento doméstico das famílias de menor poder aquisitivo”.

Diz ainda que reconhece que o município teve despesa extra com a pandemia da Covid-19, “mas é igualmente sabido que as receitas do município vêm crescendo e o índice gasto com o pessoal está bem abaixo do limite legal, permitindo a concessão do reajuste para a recuperação do poder de compra do salário do servidor”.

APOIO DOS VEREADORES – A confiança de que o Executivo atenderá os pleitos da categoria está ligada ao apoio que o Sinserpar espera receber dos vereadores. Em ofício protocolado na manhã desta segunda-feira, Gabriel dos Santos cita que o salário da categoria está aniquilado por falta do repasse do IPCA do ano passado, o aumento da alíquota da Previdência e a escalada inflacionária deste ano.

“De forma clara e transparente: contrariando até a Constituição, o salário do servidor não está mantendo seu poder de compra e seu valor é incapaz de atender suas as necessidades básicas e de seus familiares, com moradia, alimentação, educação, lazer, vestuário, higiene, transporte e (pasmem!) Previdência Social. A mesma constituição garante reajustes periódicos para preservar o poder aquisitivo salarial”, escreveu ele.

E continuou: “Carne, verdura e legumes é cada vez mais escasso na mesa do servidor municipal com os menores salários, que formam um pequeno exército de trabalhadores. Os que tinham uma motoneta para se deslocar entre a casa e o trabalho estão trocando por bicicleta por conta do preço dos combustíveis. O rosário de dificuldades é enorme”.

Depois de expor o quadro, Santos pede que os vereadores “verifiquem atenciosamente ao projeto de Lei Orçamentária do Município para 2022 se está previsto o reajuste salarial que contemple a recomposição das perdas do período, sem o quê estaremos condenando centenas de trabalhadores à fome, que já ronda seus lares”.

“Estamos muito confiante de que teremos o apoio dos servidores. Queremos ser parceiros deles na avaliação do Orçamento de 2021 e vamos fornecer todas as informações e revelar as dificuldades que a categoria passa e tenho certeza que eles se sensibilizaram para a nossa causa”, acredita o presidente Gabriel dos Santos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias